Mente Confiante

Workshop QEEG Brasil por Dr. Antônio Martins-Mourão

Publicação do Prof.Dr. Antônio Martins Mourão em sua página do Facebook:

Antonio Martins Mourao,: “Várias pessoas me tem perguntado sobre as vantagens to winEEG (Mitsar) em relação a outros sistemas . Valéria Modesto, você ja gravou cerca de 100 EEGs e tem aprendido a processar os dados de forma a desenhar protocolos mais precisos e eficientes, poderia dizer um pouco da sua experiência com o Mitsar? Abraço!

Valéria Modesto: “Conforme havíamos previsto, a minha atuação clinica com o winEEG/Mitsar modificou muito! De março até hoje foram 112 exames!
A qualidade do registro eletroencefalográfico é excelente! Trabalhei por 10 anos na Neurologia com o EEG tradicional. A possibilidade de realizar a retirada de artefatos pela analise independente de componentes, revisar manualmente, com uma nova busca de interferências agregaram-me muito mais segurança para a conclusão tanto diagnóstica, quanto terapêutica.
O estudo espectral, ICA, Loreta e sLoreta , com cálculos precisos da relação theta/beta ratio trouxeram-me a possibilidade de comprovar a hipótese clinica e explicar o diagnóstico ao paciente, com mais precisão. Já consigo elaborar o raciocínio médico quanto ao fenótipo EEG e decidir sobre a escolha de medicamentos necessários ou se há impossibilidade dessa opção, em virtude de ritmos que possam ser descompensados pela droga.
Vale a pena ressaltar que o estudo continuado, as supervisões e discussões clinicas que fizemos foram e são fundamentais para a adequada aplicabilidade dos recursos!
Muito obrigada!”

Para conhecer sobre o Prof. Dr. Antônio Martins-Mourão: www.londonscientificneurotherapy.com

Grande referência internacional em QEEG e Neurofeedback!

 

 

Palestras

 

É com imenso prazer que estarei presente nessa inauguração do Brain Healthy Institute, da Psicóloga Fernanda França! Apresentarei o tema: QEEG e marcadores biológicos para TDAH e Neurofeedback.

Pílulas de Neurociências para a Saúde Mental

O tratamento do Transtorno do Déficit da Atenção/Hiperatividade e comorbidades relacionadas  vai muito além da prescrição de medicamentos.

A cada dia fico assustada com publicações que as pessoas têm vinculado no Facebook e outras mídias sobre o TDAH, colocando em dúvida o diagnóstico de uma doença reconhecida pela Organização Mundial de Saúde, Código Internacional das Doenças (CID) 10ª Edição e Diagnostic and Statistical Manual of  Mental Disorders (DSM) 5ª Edição.

Recentemente recebi um link encaminhado do Facebook a respeito de um senhor português intitulado “pai do TDAH” e,  a pessoa pedia para que eu comentasse a respeito. A matéria quis destruir a imagem de uma doença de maneira extremamente desumana e sórdida.

Tais publicações sensacionalistas, são equivocadas, sem fundamentos e no mínimo os autores das “pesquisas” permanecem apenas em seus mundos distorcidos  e nunca vivenciaram a prática clínica!

Vocês podem acessar fontes seguras de estudo, assistirem e lerem depoimentos da vida real em diversos sites confiáveis. A página da nossa Associação Brasileira do Déficit da Atenção – ABDA (www.tdah.org.br) tem inúmeras histórias reais publicadas. Nesse meu site, temos alguns depoimentos.

A grande questão é que muitos dos diagnósticos tem sido realizados por pessoas não especialistas e, como em toda a Medicina e outras áreas, existem erros diagnósticos. Principalmente em adultos!

Saibam que até a década de 1990, o TDAH era considerado uma “doença benigna” e que na adolescência desaparecia. Um verdadeiro equívoco!

Tenho visto alguns pacientes que foram diagnosticados na infância e tiveram seus tratamentos suspensos no incio da adolescência. Como será que a vida deles evoluiu? A resposta é que a doença permaneceu e muitos não conseguiram construir a desejada e necessária AUTONOMIA da vida adulta.

Diagnosticar o adulto TDAH não é para qualquer médico! Principalmente porque existem os problemas secundários ao transtorno, as comorbidades e outras doenças mentais e não mentais que podem surgir ao longo da vida!

Portanto, avaliar um adulto com suspeita de TDAH, implica em ter um vasto conhecimento do Neurodesenvolvimento desde a sua vida intra-uterina! Implica em ter um vasto conhecimento HUMANO e acima de tudo INTERESSE pela vida e melhoria daquela pessoa diante de mim! Implica em conhecer seus pais, sua famíllia!

É por isso que, o “Programa Mente Confiante – Pílulas de Neurociências para a Saúde Mental” modificou a minha vida e de tantas pessoas que confiam em meu trabalho, pois o ato médico vai muito além de prescrever medicamentos! Em algumas famílias, nem mesmo os medicamentos são necessários em um primeiro momento.

Inúmeras pessoas carecem de informações científicas humanizadas, ou seja, explicações que elas possam compreender. Por isso, o termo “Pílulas de Neurociências”. Eu transformo o meu conhecimento em informações que as pessoas entendem e além disso…são acolhidas com Fé, Força e Foco!

Acima de tudo, Nosso Mestre Jesus está a nos Iluminar e indicar os caminhos a percorrer!

Para quem se interessar, indico o livro: “O Médico Jesus”, de José Carlos De Lucca!

Boa semana a todos!

Valéria Modesto

TDAH e “Acidentes” de Trânsito – por Alexandre Schubert

Acabei de ler no UOL, os resultados de uma pesquisa que relaciona o portador de TDAH sob tratamento e a redução dos acidentes de trânsito.
Um estudo publicado na revista científica JOURNAL OF THE AMERICAN MEDICAL ASSOCIATION PSYCHIATRY, realizado com 17000 ( dezessete mil ) pessoas entre os anos de 2006 e 2009 constatou que o HOMEM portador de TDAH quando medicado com os remédios indicados para o tratamento do transtorno, se envolve 41% menos em acidentes de trânsito do que aqueles portadores não tratados.
Esse estudo financiado pelo CONSELHO SUECO DE PESQUISA e pelo INSTITUTO NACIONAL DE SAÚDE INFANTIL E DESENVOLVIMENTO HUMANO DOS ESTADOS UNIDOS (NICHD) traz questões importantíssimas sobre o TDAH, que vão muitíssimo além da questão do trânsito, foco do estudo.
Em primeiro lugar, mostra o quão nós brasileiros somos atrasados, também, na questão do TDAH. Enquanto chovem comentários, perguntas e insinuações – nesse blog – sobre a não existência do TDAH, no exterior órgãos cientificamente importantes estão pesquisando as consequências da doença na vida prática das pessoas e da sociedade em geral; afinal, os acidentes de trânsito causados pela falta da medicação adequada não afetam apenas nós, os portadores de TDAH, mas a toda a sociedade que nos cerca. Ou seja, uma pesquisa de saúde pública.
Em segundo lugar, mostra que os cientistas também já não discutem, como aqui, se a Ritalina, ou os outros medicamentos específicos para TDAH  causam dependência, ou são manipulações maquiavélicas das corporações multinacionais; não, isso já foi superado. O que se estuda hoje em dia são os benefícios que o tratamento correto traz para as pessoas.
Muito mais do que o resultado da pesquisa em si, no meu caso, no caso do nosso blog, o que mais me chamou a atenção foram as questões acima. O blog tem sido invadido por pessoas inescrupulosas ou ignorantes, que tentam desmoralizar o TDAH, a psiquiatria e os tratamentos para TDAH. Postam links para vídeos primários, toscos e infantis, que tentam descaracterizar não só o TDAH mas como todas as doenças mentais, como se fossem apenas pessoas ‘diferentes’ e que podem ser tratadas de outra forma que não através de medicamentos. Outros, coitados, tentam nos convencer, e a si próprios, de que o TDAH é uma benção, um benefício para o portador, uma vez que ‘pensamos fora da caixa’, somos criativos, e seríamos os inovadores da humanidade.
A já comprovada tendência ao alcolismo, ao uso de drogas, e agora aos acidentes de trânsito, prova que essa afirmativa é uma balela, ‘conversa pra boi dormir’.
O TDAH é uma doença sim; comprovada cientificamente sim; que necessita ser tratada com medicamentos sim; e que causa prejuízos materiais, físicos e emocionais aos seus portadores sim. O resto ou é ignorância ou má intenção. Mas em ambos os casos, são criaturas perniciosas e, provavelmente, desequilibradas mentalmente.
Voltando ao estudo propriamente dito: ” Embora muitas pessoas com TDAH estejam bem, nossos resultados indicam que o transtorno pode trazer consequências muito graves”, disse Henrik Larsson, do Instituto Karolinska da Suécia.
A pesquisa concluiu que os homens com TDAH são 45% mais propensos a sofrer acidentes de trânsito, devido à falta de atenção e à impulsividade, em comparação com os homens que não sofrem desse transtorno.
Uma curiosidade desse estudo, é que não foi constatada nenhuma relação sobre as mulheres, os acidentes de trânsito e o TDAH. Interessante,não?
Aí está.
A publicação desse estudo, que me foi passado pela Ana, foi uma enorme injeção de ânimo no combate a esses infelizes que andam enchendo o saco, nesse blog, com aqueles linkizinhos idiotas sobre a não existência do TDAH. Ao ponto do meu amigo Walter Nascimento me oferecer os serviços de sua secretária particular ( e pelo que pude entender, uma santa que o acompanha a anos) para apagar esses links ridículos que atrapalham nosso blog. Aliás, Walter, ainda nem lhe agradeci. Obrigado!
Claro, que aqueles que postam esses videozinhos vão dizer que o estudo é financiado pelo grande capital, blá, blá, blá, mas a gente sabe que isso é tão verdadeiro quanto Papai Noel e Saci Pererê. Além de não ser tão simpático quanto essas criaturas lendárias.

Estudo na Europa

Vou realizar o sonho da minha vida: estudar na Europa!
Convite para curso de Capacitação em Biofeedback e Neurofeedback, na Holanda!
Obrigada Mestre Jesus por mais essa oportunidade!
Tenho certeza que será muito produtivo e teremos muitas novidades para o avanço do tratamento em Saúde Mental!

Valeria Modesto

O que é ser TDAH

É ser luta.
Derrota ou vitória, jamais entregar-se.
É ser dor.
Ainda que na alma, jamais entregar-se.
É ser intenso.
Ainda que esgotem-se as forças, jamais entregar-se.
É ser mutante.
Ainda que fechem-se os caminhos, jamais entregar-se.
É ser queda.
Ainda que pareça definitiva, jamais entregar-se.
É ser paixão.
Ainda que queime, jamais entregar-se.
É ser fogo.
Ainda que consuma, jamais entregar-se.
É ser gelo.
Ainda que quebre, jamais entregar-se.
Enfim, TDAH é isso.
Um caleidoscópio de emoções.
Um sem número de vidas em uma única vida.
E jamais entregar-se.

(Por Alexandre Schubert)

Drª Valéria Modesto

CRM: MG-26.423

Endereço

Av. Rio Branco, 2872, sala 506
Centro - Juiz de Fora - MG

Telefones

  • (32) 3218-7274
  • (32) 3232-1357
  • (32) 8839-5005
  • (32) 8839-5824

E-mail

valeriamodesto@menteconfiante.com